Economias criminais, Políticas de segurança

Porquê importante usar o sistema de contas nacionais para medir a renda das economias dos criminosos

#Contas nacionais #economias criminais #PIB

Escrito por: Maria Alejandra Freire. Advogada, Mestre em Finanças

O dinheiro, os lucros que obtêm as economias criminosas são aqueles que lhes permitem continuar operando, corromper instituições e aproveitar as vulnerabilidades e afetar a segurança dos Estados desde o dinheiro dessas atividades ele é não encapsulado e flui apenas na economia criminal, mas é misturado com a economia legal e os informais através de manobras de lavagem de e o reinvestimento em suas próprias atividades ilegais, que influencia NDO em dados resultantes do fluxograma circular da economia real.

  1. Introdução

Manuel Castells , no seu livro A Era da Informação , refere que as organizações criminosas em l de s durar décadas têm usado o avanço da globalização e tecnologia e começaram a operar cada vez mais numa escala internacional e, de acordo com um relatar o Fundo Monetário Internacional que data do ano 1999, estima-se que a lavagem de ativos das organizações criminosas tenha oscilado entre 500 milhões e 1,5 trilhão representando 5% do Produto Bruto Internal ( PIB) em todo o mundo[i].

Atualmente existem várias fontes de informação sobre estimativas de fluxos ilícitos, pelo que podemos usar os dados da Integridade Financeira Global CEPAL , Nações Unidas entre outras fontes de dados, fazendo na maioria dos casos uma comparação entre o PIB mundial ou de um determinado país e produto de economias criminosas. No entanto, estas não podem ser comparadas entre si porque a metodologia utilizada, os anos considerados na pesquisa, os territórios ou os fenómenos são diferentes, de modo que se encontram vários dados muito valiosos mas que estão desatualizados e que não podemos comparar para a conceção e desenvolvimento de políticas públicas .

O PIB é o valor de mercado do total de bens e serviços que são produzidos mundialmente ou em um país, durante um determinado período de tempo, o que permite medir o gasto total da economia. Diz Mankiw Gregory (2008), em Principles of Economics, que uma definição que parece simples , deixa de o ser quando analisada em profundidade , por exemplo em relação a bens e serviços que são excluídos por serem muito difíceis de medir e, entre eles, mencionam a maior parte dos itens vendidos e são produzidos ilicitamente, como drogas ilegais[ii].

Ora, esses bens ou serviços que são vendidos e comprados no mercado ilegal não são estranhos à economia legal de um país por dois motivos: o primeiro é que são transações de mercado, ou seja, operações em que existem duas partes, uma que ofrece esse bem ou serviço e outro que quer o comprar, no entanto, não são registradas porque são operações ilegais. Ainda assim, pode-se identificar um preço pelo qual que quem procura está disposto a comprar e quem vende está disposto a vender e o dinheiro produzido daqueles transações fica inevitavelmente misturado através de branqueamento de capitais e reinvestimento no negócio ilegal através de ambas as exonomias: a legal e a informal.

Um segundo motivo pelo qual não é alheio à economia legal é a preocupação dos países com os elevados montantes que essas economias ilegais movimentam e que distorcem os valores macroeconómicos das diferentes jurisdições, pois, se esses dados fossem tomados para calcular o PIB, este aumentaria

2. Utilização do sistema de contas nacionais para medir o PIB tendo em conta as atividades ilegais.

C país ach com o propósito de obter dados sobre a atividade económica, use o Sistema de Contas Nacionais , incluindo as normas aceites internacionalmente para medir itens como PIB, sendo este o indicador do desempenho económico utilizado com mais frequência. Os dados económicos são então compilados de modo que a sua análise permita obter as ferramentas necessárias para tomar decisões e formular políticas públicas em matéria de economia[iii].

Larrain e Sachs (2002 ) em Macroeconomia na economia global, afirmam que os dados provenientes das contas nacionais são os componentes mais importantes para fins de cálculo do PIB e do Produto Nacional Bruto e que a espinha dorsal da análise macroeconómico é um bom entendimento das contas nacionais[iv].

Mankiw (2008) diz que é difícil fazer essa mensuração, mas afirma que atividades ilegais como o contrabando e o narcotráfico se ajustam às características das transações das atividades legais e também, se não forem consideradas as despesas domésticas. Em bens ou serviços ilegais, a poupança das famílias seria sobrestimada e isso se reflete no fato de que as contas como um todo poderiam ter sérias distorções com a realidade e seriam observados erros nos saldos contabilísticos[v].

É importante notar que o sistema de contas nacionais desde 1995 estabelece precisamente que as medições devem incluir os dados correspondentes às atividades ilegais, mas nem todos os países cumprem esta recomendação.

No mesmo sentido, el Sistema Europeu de Contas 2010 (SEC 2010), que foi renovado em 2013 é aplicável aos membros da União Europeia, vai um passo além e estabelece a necessidade de estimar as receitas de no menos parte da economia ilegal , com a expectativa de melhorar a comparabilidade dos dados em âmbito internacional , já que algumas atividades são legais em alguns países e não em outros.

Espanha , Reino Unido e Suécia começaram a fazer algumas estimativas a partir de 2013 e na América encontramos o caso do México em 2014 , que realizou uma medição de atividades ilegais. Porém , apesar de ser possível encontrar notícias jornalísticas que mencionam essas práticas, percentagens e valores, é muito difícil a cessar os dados oficiais.

O Instituto Nacional de Estatística espanhol emitiu comunicados de imprensa que podem ser consultados no seu site, nos quais se refere ao facto de ter “feito estimativas das atividades ilegais mais significativas em Espanha: prostituição, tráfico de drogas, contrabando de tabaco. e o jogo ilegal, de acordo com as metodologias e procedimentos estabelecidos pelo Eurostat a este respeito, de forma que os valores para os diferentes países sejam homogéneos e comparáveis entre si. Em todas as atividades ilegais, foram consultados estudos acadêmicos e científicos, públicos e privados, nacionais e internacionais […] No total, as atividades ilegais representam 0,87% do PIB ”[vi], equivalente a mais de 9 bilhões de euros por ano[vii].

Posteriormente, Raquel del Río Paramio , Chefe de Área do Departamento de Contas Nacionais do Instituto Nacional de Estatística da Espanha, destacou em 2015 que os principais problemas que começaram a surgir entre os investigadores são a disponibilidade de fontes fiáveis ​​de informação, a necessidade usar métodos de cálculo apropriados para obter estimativas precisas e o risco de dupla contagem da produção.

3. A título de síntese

Se a macroeconomia está focada nas tendências globais da economia, utilizando a medição do PIB como um de seus indicadores especiais, e se observa um aumento significativo nas operações das organizações criminosas transnacionais, é necessário incorporar os dados do Operações ilegais de mercado na medição do PIB para saber qual é o seu crescimento, utilizando métodos que permitam comparar os dados obtidos nos diferentes países e desenhar políticas públicas com base nesses dados .

O uso desta medição começou a ser feita na União Europeia em 2013 e alguns países da América Latina como também está a ser implementada, contudo, a transparência dos resultados não foi como esperado e há poucos dados lançados publicamente.

Não podemos deixar de levar em conta que o dinheiro, os lucros que obtêm as economias criminosas, são que lhes permitem continuar operando, corromper instituições e aproveitar as vulnerabilidades e afetar a segurança dos Estados ja que o dinheiro dessas atividades não é encapsulado fluindo apenas na economia criminosa. Antes é, misturado com a economia legal e os informais através de manobras de branqueamento de capitais e de reinvestimento na suas próprias atividades ilegais, que influencia NDO em dados resultantes do fluxograma circular da economia real.

Por fim , é necessário para ter dados que gerem informação verdadeira sobre o fluxo de dinheiro de atividades ilegais e metodologia incorporados pelo Sistema de Contas Nacionais permite que os dados de transação .

Embora seja verdade que essa informação, por si, só não levará à destruição de organizações criminosas, permitirá que sejam feitas estimativas e permite compará-las com outras jurisdições, estudar a fronteira de possibilidades de produção entre um bem que é vendido no mercado criminoso e a produção de um bem que é comercializado num mercado legal, bem como o desenvolvimiento de políticas públicas que desincentivem a produção do bem ou a prestação do serviço ilegal como forma de redução do mercado, estabelecendo rotas para o fluxo de dinheiro .


[i] Castells Manuel, The Information Age: Economy, society and culture. Volume III Fim do Milênio. Editorial Siglo XXI de España Editores SA. Quinta edição de 2006. Páginas 201 e seguintes.

[ii] Mankiw Gregory, Principles of Economics. Editorial Paraninfo. Quarta Edição de 2008. Páginas 351 e seguintes.

[iii] Sistema de Contas Nacionais 2008 , produzido e produzido sob os auspícios das Nações Unidas, da Comissão Europeia, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, p. 1

Disponível em http://www.cepal.org/deype/publicaciones/externas/1/50101/SNA2008_web.pdf .

[iv] Larrain, Felipe. Macroeconomia na economia global / Felipe Larrain e Jeffry Sachs, segunda edição. Buenos Aires Pearson Education. Ano de 2002.

[v] Sistema de Contas Nacionais 2008, op. cit., pág. 55.

[vi] Instituto Nacional de Estatística (2014), “Contabilidade Nacional da Espanha. Nueva base 2010 ”, Espanha, comunicação de 25 de setembro de 2014 (atualizada em 3 de outubro), pp. 8-9. Disponível em http://www.ine.es/prensa/np862.pdf .

[vii] Nota intitulada “Prostituição e atividades ilícitas acrescentam mais de 9.000 milhões ao PIB”, publicada no site El Periódico, 25/09/2014. Disponível em

http://www.elperiodico.com/es/noticias/economia/prostitucion-actividades-ilicitas-anaden-9127-millones-euros-pib-3548153 .

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Salir /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Salir /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Salir /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Salir /  Cambiar )

Conectando a %s